Mereo, hrtech que mede performance dos funcionários, levanta R$ 5 milhões

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram

Fonte: PEGN

13/08/2022

Mereo, uma HRTECH que ajuda empresas a acompanhar a performance dos seus funcionários, anunciou com exclusividade a PEGN que levantou R$ 5 milhões em nova rodada de investimento. O aporte foi realizado pelos fundos KPTL e Cedro Capital. A startup de Minas Gerais criou uma ferramenta capaz de gerenciar talentos, avaliar desempenhos pessoais e calcular remunerações variáveis. Fundada em 2012, a empresa já impactou mais de 1 milhão de profissionais de empresas como Magalu, XP Investimentos e MRV. Ao todo, a plataforma traduzida em nove diferentes idiomas já está presente em 40 países.

Em entrevista a PEGN, Ivan Cruz, cofundador da startup, contou que o investimento chegou na hora certa. A ideia, segundo o empreendedor, é aumentar a base de clientes em 60% ainda neste ano. Para isso, a startup investirá no desenvolvimento de produto e nos canais de marketing e vendas. Boa parte do aporte será usado para contratações nessas áreas.

Com 29 novos clientes apenas neste ano, Cruz diz que o objetivo do aporte é ajudar a Mereo a fortalecer sua marca no mercado. “Não somente com as grandes empresas, mas fortalecer a presença entre clientes de porte médio”, diz. Para isso, a startup acredita que é necessário deixar o produto mais fácil, intuitivo e com insights cada vez mais bem desenvolvidos.

A estrutura da plataforma é dividida em três módulos: gestão de performance, gestão de talentos e reconhecimento e recompensa. As empresas consolidam indicadores dos funcionários de cada área, avaliam o desempenho desses colaboradores e calculam a remuneração variável de cada um com base em regras da companhia.

A ideia do negócio surgiu após Cruz e seus colegas Athila Machado e Marconi Rocha trabalharem como consultores na Falconi. Após deixarem a empresa, decidiram empreender usando a expertise de mercado. Osvaldo Barbosa de Oliveira, partner da KPTL, afirmou a PEGN que o time foi um dos diferenciais para o fundo investir no negócio. “O primeiro ponto foi a experiência dos fundadores, depois a dor constante das empresas em avaliar seus colaboradores, e, em terceiro, o produto estar bem aceito em empresas de referência”, diz.

Com a entrada dos novos investidores, Cruz está certo de que é hora de pisar no acelerador. “Queremos discutir com um conselho preparado, e que já fez isso em outras empresas, como estruturar esse crescimento”, afirma o fundador. Em paralelo, investir em branding, fortalecer a marca da Mereo junto aos setores de recursos humanos do mercado e preparar o novo capítulo da startup.